sábado, 22 de agosto de 2015

Sobre Sekai-ichi Hatsukoi

Só eu que shippo o Chiaki com o Yuu? Sabe, não que eu não goste do Hatori, mas enfim... 
Lindo *--*

WTF?!

























Eu amei ver o passado do Isaka *--*



Tão fofo *--* (só dessa vez) (Sobre Kirishima: lindo *--*)


Eu amei o filme do Yokosawa *--* Eu nem ia ver, porque não gostava dele, mas nos últimos episódios eu passei a gostar e resolvi ver e valeu muuito à pena (E os pós-créditos, OMG *------*).







Lindo *--* (Takano-san é o Usagi de Sekai. ashuas *--*)
Enfim, tava com tanta saudade do clima de Junjou, a melhor coisa que fiz foi ter demorado tanto pra ver esse anime, realmente matou a saudade de Junjou. Só que... todo mundo quer uma nova temporada de Junjou Romantica simplesmente porque é bom demais, mas Sekai-ichi Hatsukoi não, eu quero uma nova temporada porque faltou. Faltou mesmo. O final me deixou triste ;-; eu quero mais, ver mais, eu quero mais Takano e Ritsu ;--; Gente do céu, um dos motivos de eu ter visto o filme do Yokosawa também foi esse: querer mais Sekai-ichi.

Tãão liindo *--*

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Hellsing e Hellsing Ultimate

Eu gostaria de fazer alguns comentários sobre esse anime. Bom, eu vi Hellsing e logo em seguida, ao terminar, o Ultimate. Gostei muito de Hellsing, é o estilo de anime que eu curto. Lembra muito Devil May Cry, me lembra também Kuroshitsuji, mas por outros motivos. Mas eu não vou negar que esperava mais, coloquei uma expectativa muito grande nesse anime, mas fiquei com a sensação de que faltou alguma coisa (ou algumas, a história é meio incompleta mesmo). Mas calma, tudo tem uma explicação. Quando comecei a ver o Ultimate, sério mesmo, cada segundo me era extremamente cansativo, eu pensei que fosse infartar de tanto tédio kkkkk' porque o primeiro episódio é só repetindo tudo de Hellsing. Maas... depois eu descobri que é porque Hellsing só é fiel ao mangá nos primeiros episódios e depois toma um rumo diferente, já o Ultimate é completamente fiel. É tipo o que acontece com FMA e FMA Brotherhood.

Enfim... eu continuei vendo o Ultimate e gostando cada vez mais. É muito bom. Todas as expectativas que eu apostei em Hellsing me foram correspondidas quando assisti o Ultimate. É realmente uma mistura de elementos maravilhosos, formando um anime maravilhoso. Foda mesmo. Quem viu só Hellsing costuma elogiar muito o anime e tal, e é realmente bom, mas eu me atrevo a dizer que essas pessoas não viram um terço do que essa história realmente tem pra mostrar. Sério mesmo, vejam o Ultimate, pessoas.

Mas tanto Hellsing como Hellsing Ultimate têm um defeito muito grande, pelo menos pra mim, um defeito chamado: Celas Victória. 
Velho. Do. Céu. 
Por quê?
Sinceramente, eu tenho uma lista grande de personagens que eu odeio, que vai de Sakura, passando por um monte, até Inoue. Mas eu juro que prefiro um anime feito de 100 Sakuras, Inoues, Lizzys, Kikyous e etc, do que uma única Celas Victória. Principalmente porque essas todas podem até ter um papel importante no anime, mas nenhuma conseguiu virar o centro do universo sem ser nada, como essa maldita Celas conseguiu. Velhooo, se precisavam mesmo de um personagem com essa importância, além do Alucard, por que essa Celas? Por que simplesmente não fizeram um personagem melhor? Caralho, ela é muito mal feita em todos os sentidos: é chata pra porra, tem um cabelo estranho ridículo, as pernas mal desenhadas, os olhos desproporcionais. Senhor do céu, e ela simplesmente vira a fodona! No Ultimate ela tem asas! ASAS! O Alucard baba ela '-' Cristo Santo, cada vez que ela aparece no Ultimate eu sinto vontade de vomitar. E em Hellsing, vontade de dormir.

**SPOILER**



Enfim... meu outro comentário é sobre o mordomo, Walter, no Ultimate. ;----; Ele simplesmente vira um traidor ;----; poxa... não tenho nada contra isso ter acontecido, tipo, não achei sacanagem da parte do autor nem nada, achei interessante, meu negócio é decepção com O WALTER mesmo T.T eu confiei nele, velho!
E sobre o final: Achei fodão. Genial a "derrota" do Alucard, amo o Schrödinger, acho ele muito massa, e de resto... só Celas e Celas ¬¬ então nada a declarar.







Até a próxima, pessoal!

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Angel Beats!

Imagem retirada do google.
...
Eu poderia resumir esse post a essas reticências e todo mundo entenderia exatamente o que eu quis dizer sobre esse anime. Mas... como o post tem que ser feito, vou tentar me expressar nessas palavras. Durante muito tempo eu vi comentários de pessoas e páginas falando de como Angel Beats faz qualquer um se desmanchar em lágrimas no último episódio e isso sempre me deixou curiosa. Afinal, o que poderia haver de tão triste? Sempre imaginei que fosse alguma coisa clichê de maior estilo John Green, sério.
Quando comecei a ver o anime me surpreendi por se tratar de simplesmente "nada de mais". Na verdade pra mim parecia alguma coisa de menos, perdão. Eu achava sem sentido. E era. As coisas no início são meio desconexas, nada tem um motivo plausível, sei lá. Mas tudo isso acontece porque a pobre Kanade na verdade era só mais uma perdida, o que me leva a perceber que no início eles não faziam ideia do que estavam fazendo. Além disso, o personagem principal era um sem sal, que não servia pra nada e parecia viver no automático. Ele simplesmente estava ali, mais perdido que qualquer membro da Frente de Batalha.

***SPOILER***


Enfim... ao longo do anime o personagem principal ganha "vida" e as coisas vão sendo esclarecidas. E ganhando vida também. Você vai se apegando aos personagens, a história fica interessante... E por fim, termina. Entendam término como até a parte que sobram só o Otonashi e a Kanade. Bom, até esse momento eu estava com algumas coisas em mente.
Reclamações do tipo "poderiam ter explorado mais o final de alguns personagens, por que não passou os momentos antes do Noda sumir? Por que o Noda sumiu sem estar com a Yuri? Por que não passou que fim levou o programador que estava transformando os NPCs naquelas sombras?" Eu ainda tinha em mente "Cadê o passado da Kanade?", "Eu não acredito que eles vão ficar juntos nesse mundo, não não, por favor, final, não me decepcione, não seja tão simples".
Até que o Otonashi começa a falar e diz que ama a Kanade.

***SPOILER PICA DAS GALÁXIAS, POR FAVOR, NÃO LEIA***


E eu fiquei "Noooooo, de onde surgiu esse amor? Por favor, por favor, me surpreenda, não faça isso"
Aí... a Kanade começa a falar. E as coisas vão surgindo e... eu até pensei que ela fosse a irmã dele que tinha morrido e tal, mas aí ela continua falando e... POOOW! Ela revela que é a pessoa que recebeu o coração dele. Não velho, para. Nessa hora ninguém pensa mais nada, a pessoa só continua observando os acontecimentos sem respirar, com lágrimas rolando e ooh meu Deus, oh meu Deus, quando esse anime ganhou o direito de me surpreender e me emocionar assim? Velhoo, que isso, ninguém esperava por isso! Esse anime chega com suas bombas assim do nada, sem aviso prévio e te mata de emoção ;------; E aí ela some e ele fica gritando e chorando e abraçando o nada e e...

;---------------------;

É uma emoção muito forte pra um kokoro só.

Eu encerraria o post aqui, mas... mas não vou encerrar, ainda quero falar. Depois disso esqueci todas as minhas reclamações e aceitei que o anime é foda e épico. Desconsiderei aquela cena pós créditos dando esperanças a quem não suporta finais tristes. Aquele final é intocável, me fiz de cega pra reencontros em encarnações futuras. E por último... bom, por último eu demorei um pouco pra fazer o post e acabei esquecendo o que eu ia dizer por último.

sábado, 6 de setembro de 2014

Kirepapa

Esse foi o yaoi mais nada a ver que eu já vi AHUSHA' Na verdade acabei chegando à conclusão que provavelmente todo yaoi seja nada a ver assim, mas esse ultrapassou fronteiras. Pra começar, uma paixão nada a ver do amigo do filho pelo pai. O pai, que era todo resistente, bem coisa de uke, se entrega completamente ao relacionamento do nada. Depois, quando Shunsuke (o amigo de Rijuu, o filho) descobre que o pai dele que "negoçou" lá o Chisato (pai de Rijuu, por quem Sunsuke é apaixonado), resolve matar o pai' kkkkkkkkkkk' Onde já se viu isso? Sem falar que tudo acontece muito rápido.
Depois, os dois se amam do nada, mas isso acontece em todo canto, yaoi, outros gêneros de anime, novelas, vida real... então nem reclamo. Na verdade, isso nem mesmo é uma reclamação, eu vim dizer que adorei o anime! Kkkkkkkk' Sim, é sério isso, é muito engraçado e divertido, exatamente porque é assim nada a ver. (E yaoi é vida)



Imagem do Google.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Kuroshitsuji I e II

Antes de qualquer coisa, eu gostaria de comemorar porque *u*u* não importa quanto tempo passe, seus sonhos se realizam ;-; o mangá de Loveless foi lançado no Brasil \\o// e claro que já comprei meu primeiro volume (eu quase infartei)... Bem, vamos lá, para o título:



Eu comecei a ver esse anime por causa do Sebastian. Assim com vi Devil May Cry por causa do Dante e Bleach por causa do Uquiorra. Me julguem. Mas enfim, ninguém liga; e eu continuei a ver por causa do Sebastian, porque eu achava um saco, não vou negar. Até... a segunda temporada, aí sim, eu comecei a ver um enredo e tal, duelos, objetivos kkkkkk' parei. Bem, a segunda temporada foi bem mais empolgante, mas... não vou cobrar de mim uma opinião sobre o final; eu não teria uma formada mesmo depois de um bom tempo pensando. Cara, pobre Sebastian '-' qual o problema em "Ciel morre>Sebastian come a alma>Todos são felizes"? Qual?! Mas... ah, não é que tenha sido um final ruim... Foi interessante, foi... meu Deus, o Sebastian, tão infeliz T.T Aliás, eu juro que ensinaria o Sebastian a gostar de cães. Mas tudo bem se ele não quisesse, ele poderia me ensinar a gostar de gatos... Mas eu gosto de gatos '-' Mas tudo bem, eu podia fingir que não sei gostar direito (nem sei como é isso).

Bem, eu gostaria de dizer que odeio a Lizzy, que odeio o Alois; que queria era yaoi nessa poha, que não consegui shippar Sebby e Claude e que... deixe-me ver... morri de rir no episódio 04 da segunda temporada porque todo mundo do trem era louco... e que... eu queria muito yaoi. E que agora vou procurar fanfic SebbyxCiel e SebbyxGrell. E um dia quando eu tiver tempo vou  ver a terceira temporada. Kissu'






"Não importa quanto tempo passe, o destino dos anjos e demônios é sempre empatar" Angel, Kuroshitsuji.


Imagens do Google.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

O Verdadeiro Marley

Gente *u*
Lembram do Capítulo 16 (O teste) do livro Marley e Eu? Aquele que conta sobre quando o Marley é chamado pra fazer um filme chamado "A Última Jogada"? 
Eu achei um vídeo com a cena que o Marley aparece! Meu Deus, o verdadeiro Marley *-* Caralho, eu vi o verdadeiro Marley! E nos créditos "MARLEY THE DOG... HIMSELF" Que emoção sem igual *-*

domingo, 29 de dezembro de 2013

Eu sou um Gato


O livro Eu sou um gato, no japonês, wagahai wa neko de aru (quem assiste anime deve conhecer o pronome "eu" como watashi ou alguma outra forma que não seja wagahai haha', mas no livro está escrito o seguinte: "Das muitas formas de dizer 'eu' em japonês, Soseki optou pelo pronome de primeira pessoa 'wagahai', cujo uso era restrito a políticos, militares, etc., e se revestia de certa arrogância"), é narrado por um gato que mostra, no decorrer dos capítulos, sua visão sobre os seres humanos, baseada principalmente em seu amo e amigos, que costumam visitar a casa onde vive.

Bom, esse livro não é o que eu recomendaria a um leitor iniciante, não é o tipo de livro que te prende a ponto de ser lido em três dias ou menos. Mas é um bom livro. Interessantíssimo, aliás. Possui... acho que posso chamar de "pensamentos reflexivos", tanto do gato (que sofre por não ter nome' ashuas) quanto de seu amo e amigos, pois por diversas vezes os capítulos baseiam-se em conversas entre eles, expondo suas ideias, etc. Além dessas coisas que te fazem refletir, o livro é uma fonte de conhecimento sobre a cultura japonesa, a filosofia, dentre outras coisas. Às vezes se mostra meio machista, mas eu, por conveniência, optei por ignorar, mesmo que nas últimas páginas dê certa raiva. Enfim, vou colocar aqui algumas passagens do livro:

"Ora, que esforços despenderam os homens para a criação desse céu e terra? Nenhum, eu garanto. Inexiste lei que conceda a alguém a propriedade sobre algo que não criou. [...] Se a terra é dividida e se comercializam direitos de propriedade, nada mais natural do que dividirmos também o ar que respiramos e vendê-lo por unidades cúbicas. Se não podemos vender o ar e é improvável fracionar o céu, não seria a posse da superfície terrestre também uma irracionalidade?" (Capítulo 4, página 144, parágrafo 1)

"[...] A insânia isolada é tida como loucura, mas quando em grupo e gerando força talvez se torne característica das pessoas sãs. Não são poucos os exemplos de grandes loucos que abusam do dinheiro e poder para incitar loucos menores à violência e acabam passando por pessoas honradas. Eu já não compreendo mais nada" Esse pensamento inteiro é interessante, mas é muito longo pra que eu escreva tudo aqui. Pertence ao dono do gato, professor Kushami. (Capítulo 9, página 369, parágrafo 1)

Recomendo o livro à leitores de longa data ^^